JORNALISTA

Tenho orgulho de dizer que sou jornalista. Foi na Cásper Líbero, na virada do milênio, que aprendi a transformar um tema numa história, a apurar informações, a escolher os melhores personagens e a escrever com técnica e precisão. Lá, descobri a importância desse trabalho para a sociedade.

Com duas amigas, escrevi um livro-reportagem sobre a prostituição no centro da cidade, que foi uma das experiências mais marcantes da minha vida.

Ainda no período da faculdade, consegui meu primeiro estágio numa redação, da Revista Imprensa, bem na São João com a Ipiranga. Lá, tive a oportunidade de escrever grandes reportagens, fazer entrevistas e cobrir eventos. Eu tinha vinte e poucos anos e já podia vivenciar, na prática, a rotina de uma repórter.

O mundo corporativo me chamou, mas a escrita nunca saiu da minha vida. No Banco Real (que, mais tarde, seria comprado pelo Santander), dei o meu primeiro passo na produção de conteúdo online. Desenvolvia os textos para os canais digitais da empresa e, de quebra, conheci o mundo corporativo.

Logo na sequência, mais precisamente em 2010, resolvi ter o meu próprio negócio e dei vida a Belbellita Comunicação & Artes, empresa pela qual pude colocar minhas competências como jornalista a serviço do mercado e que hoje funciona como um selo, uma porta de entrada, para demandas institucionais.


Confira entrevista que concedi para a jornalista Carolina Zanini, em 2013, sobre minha trajetória profissional.